Resenha de Alice no País do Amor

Conheça o romance Alice no País do Amor de Lucilla Guedes

Autora:Lucilla Guedes

Editora :Chiado Editora

Nota:5/5

O livro trouxe uma trama bem interessante e fortemente inspirada em “Alice no país das Maravilhas “de Lewiss Carrol , tendo como ponto de partida  da narrativa  uma festa a fantasia onde Helen –a  melhor amiga da jovem que empresta seu nome à heroína do titulo-anuncia o noivado com o homem pelo qual ela,Alice ,está interessada.

A amiga sequer desconfia disso e o amor platônico vem à tona- ao menos para Alice e seu perspicaz melhor amigo- quando ela aparece de Alice na festa e o noivo surge vestido como se  fosse o partner de Alice e não de sua noiva,aumentando ainda mais a confusão.

Cada convidado escolhe uma fantasia, mas coincidentemente, determinados pessoas optam por escolher personagens da história de Alice no País das Maravilhas. Por quê?

A jovem Alice personifica a fantasia que deu origem à história, claro.

Porém, outros personagens, coincidentemente –ou não- acabam participando, algumas vezes até  inconscientemente  da fantasia de Alice,por também vestir-se com os personagens da trama, e depois se descobre que cada escolha foi a procura de um arquétipo na vida da jovem.

Como diria o psicólogo Carl Jung, que bem relaciona Arquétipos e que diz que nada acontece por acaso , ou ainda Cris Vogler,em seu livro “A Jornada do Escritor”,em que redefiniu  os arquétipos propostos por Joseph Campbell com seu “Herói de Mil faces”, Lucilla Guedes recria um novo arquétipo feminino: Alice,a jovem sonhadora que ao mergulhar profundamente em seu subconsciente,imerge para redefinir a própria vida.

Repleto de informações e filosofias em passagens aparentemente inocentes, Alice no país do Amor reescreve e moderniza a história de Alice, ao falar de relacionamento e as angustia s da jovem mulher contemporânea, que se isola do mundo e interpreta a passagem do tempo como uma estreia que jamais se concretiza, sempre esperando e idealizando aquilo a que chama de futuro:

“A vida é risível: um rascunho nunca passado a limpo, um ensaio que nunca se transforma em noite de estreia”.

Noutros momentos, a autora ousa em questionamentos políticos e de costumes sociais, fazendo críticas sutis e igualmente mordazes:

“Acomodados no sofá, conversamos sobre os temas de sempre: políticos desonestos ou o resultado das eleições, a onda da violência que assolava o país, enfim, sobre coisas que falamos muito a respeito, mas que muito pouco ou quase nada fazemos para mudá-las”

Até mesmo a música merece uma consideração ao olhar de Lucilla,convidando ao leitor a fazer uma leitura minuciosa e atenta para identificar a opinião da autora transmutada na personalidade de Alice:

“Mantínhamos os velhos CDs (... Comecei a conjecturar: Caetano? Não, muito tropical para o dia de hoje; Lulu Santos? Também não, não quero pensar que a vida vem em ondas; Zeca Pagodinho? Nem pensar! Ele me faz lembrar que estou deixando a vida me levar e eu gosto de me sentir no controle”

Por tudo isso recomendo bastante a leitura para conhecer a trama jovem e muito bem trabalhada dos amores e da vida de Alice, e em seguida, de uma releitura, para deliciar-se com as divagações ,reflexões e filosofia que entremeia as páginas do romance-tal qual o original Alice nos país das Maravilhas ,Lucilla não deixa nada a desejar com o original Alice no País do Amor!

Você leitor, está convidado a se identificar e se deliciar com este livro!

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!